about-01

Um artista que pinta a gratidão – Carlos Kubo

carlos-kubo-anaFilho de Missao Kubo e Wase Kubo, um casal que chegou ao Brasil em 1927 e caçula de sete irmãos, Carlos Kubo nasceu em Lins, interior do Estado de São Paulo, em 1949, e aí viveu até mudar-se com a família para a cidade de São Paulo aos 11 anos de idade. Há, aproximadamente, 4 anos mudou-se para Londrina,  em busca de uma maior tranquilidade e qualidade de vida.

Mesmo tendo pais japoneses, Kubo se considera um típico brasileiro. Seus trabalhos são visivelmente influenciados pelas suas raízes japonesas e também pela experiência de vida no Brasil. O artista tem plena consciência da importância destes dois mundos completamente distintos que sempre fizeram parte da sua vida e com o passar dos anos conseguiu condensar e transportar para a pintura estas duas culturas e a sua verdade, transformando-as em uma linguagem única e universal, demonstrando que a arte não tem fronteiras, encontrando nesta a sua harmonia e o seu equilíbrio, a ponto de quando nos deparamos com uma obra do artista é quase impossível distinguirmos uma linha divisora entre o oriente e o ocidente.

18301334_1913511238865342_6826827324446519927_nOs temas de seus trabalhos são representados em formas delicadas, transparências e cores vivas. Ao longo de sua vida, Kubo foi incorporando os temas que mais representavam suas raízes e que fossem espelho da sua alma. É evidente que esta constante busca sempre aconteceu de modo inconsciente e o resultado disto é uma obra composta por uma grande gama de personagens, cada qual com seu significado e importância na vida do artista.

Após mais de 40 anos de experiência nas artes e a decisão de se mudar para o interior, Londrina-PR, onde veio em busca de uma melhor qualidade de vida, Kubo tem conseguido transportar e canalizar para suas obras toda a energia que esta tranquilidade e paz tem lhe proporcionado. Esta alegria e motivação, proporcionadas por esta ruptura e uma maior aproximação da simplicidade, tem sido um grande combustível inspirador e catalisador na capacidade de transformar o simples e o invisível em pura magia, com suas espátulas e tintas. As grandes transformações que podemos observar em sua técnica atual e em suas obras podem ser atribuídas à sua grande percepção na leitura da vida e do cotidiano, do processamento deste turbilhão de informações e da capacidade incessante de canalizar e transportar tudo isso para as suas pinturas. Cada vez mais tornam-se marcantes, nas obras de Kubo, o uso da transparência, do contínuo movimento e das cores, e cada vez mais podemos observar que a espátula tornou-se uma extensão de seus dedos e de seus sentimentos mais profundos.

12805712_1730645337151934_1671512572149481500_nKubo tem plena convicção de que o que faz uma pessoa identificar-se com determinada obra é o “invisível”, afirmando que as pinturas não são somente tintas e cores bonitas colocadas em uma tela ou a técnica desenvolvida através de mais de 40 anos de exercício diário. As tintas e as telas são, sim, elementos que carregarão para sempre toda a energia do artista, seja ela boa ou ruim. Por este motivo, ele encara o ato de pintar com muita responsabilidade e sente a necessidade de estar sempre em busca do seu aprimoramento, como ser humano.

Essa consciência e todo esse turbilhão de sentimentos foi um verdadeiro catalizador para a decisão de Kubo apresentar sua nova série, denominada de “Gratidão”, a qual vem sendo desenvolvida ao longo de muitos anos e que é o sentimento que sempre motivou a sua vida e o fez produzir esta nova série, onde cada espátula e cor colocadas nos quadros pretendem transmitir a sua verdade, a sua alma e a sua eterna gratidão, por tudo e por todos!

gratidaoA GRATIDÃO

Para Kubo, a gratidão é a forma mais pura de se compartilhar o amor, em toda a sua plenitude, pelo simples desejo de se fazer o bem, como forma de agradecimento e reconhecimento, totalmente desprovido de cobranças ou interesses. É um sentimento transformador, capaz de nos fazer reconhecer a beleza nas coisas mais simples da vida, de despertar o respeito por tudo e por todos e, acima de tudo, capaz de nos proporcionar felicidade realizando o bem.”

Por que do nome GRATIDÃO para a minha próxima série de quadros?

Partindo do princípio de que quando nossas mães faziam as nossas refeições, por mais simples que fossem, eram sempre regadas com muito amor e sempre as achávamos a melhor comida do mundo, pois o melhor “tempero” de todos nunca faltava em seus pratos: o amor incondicional pelos filhos.

Baseado neste exemplo, tenho plena convicção de que tudo o que fizermos e que esteja munido de sentimento verdadeiro, baseado no amor, tornar-se-ão atos transformadores e, certamente, capazes de despertar e de estimular a propagação deste sentimento para com o próximo, estabelecendo uma grande corrente do bem.

Sempre acreditei no “invisível”. Não acredito simplesmente no “querer e desejar”, até porque querer, todos querem. Acredito, sim, no “ser”, porque se formos uma criatura cheia de gratidão, todos os nossos atos serão capazes de passar adiante este sentimento.

No meu caso, sendo um pintor, não adianta querer transmitir, por meio das minhas pinturas, a gratidão, se eu não tiver este sentimento dentro de mim e, principalmente, se eu não for uma pessoa grata a tudo e a todos. Volto a afirmar que: “querer” todos querem, mas “ser” requer um trabalho de aprofundamento e de vivenciarmos o sentimento desejado. Deste modo, o resultado de qualquer trabalho, seja o alimento preparado por uma mãe, um ato cirúrgico por um médico, uma canção por um artista e, no meu caso, a pintura que realizo, se não tivermos dentro de nós o verdadeiro sentimento da gratidão, poderei até realizar uma pintura bonita e tecnicamente perfeita mas, certamente, será vazia de sentimento. Acredito que todos os pintores não só deveriam aprender as técnicas mas, essencialmente, deveriam buscar sempre o aprimoramento como ser humano, pois tudo o que fizerem estará carregado da energia do seu interior, podendo ser boa ou ruim. Esta é a diferença primordial entre uma pintura que transmite algo e uma simples pintura.

E esta é a razão do nome da minha mais nova série, “GRATIDÃO”, porque no decorrer de toda a minha vida venho tentando me aprimorar e colocar em prática o sentimento de ser grato a tudo e a todos. As pinturas não são somente cores bonitas colocadas em uma tela ou a técnica desenvolvida através de mais de 40 anos de exercício diário. Uma pintura é muito mais do que isso. É uma responsabilidade muito grande, pois pode ficar carregada de uma energia boa ou ruim, a qual captamos quando estamos diante de uma obra (o “invisível”). Certamente, esta energia é do pintor que a realizou e por isso é de suma importância sempre buscarmos a evolução como ser humano, porque é essa energia que deixaremos e passaremos para o próximo.

Um poco mais de Carlos Kubo

 

Saiba mais sobre Carlos Kubo (Facebook)

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *